Ambiente virtual de aprendizagem e as suas perspectivas

3 minutos para ler

Recentemente, as reflexões sobre os ambientes virtuais de aprendizagem e o seu uso tem ganhado mais força e atenção, principalmente nesse momento de quarentena. Mas o que é um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) e quais são seus benefícios e limitações para uma educação mais democrática e integral?

Entendendo o que é o ambiente virtual de aprendizagem

Um ambiente virtual de aprendizagem pode ser entendido como um sistema que proporciona o desenvolvimento e distribuição de conteúdos diversos para cursos online e disciplinas semipresenciais para alunos em geral. De forma simplificada, podemos pensar o ambiente virtual de aprendizagem como uma sala de aula virtual.

Essa sala de aula virtual traz algumas características diferentes da que estamos acostumados para a dinâmica de ensino e aprendizagem – Quebra barreiras da distância física e permite que mais pessoas tenham acesso aos conteúdos, além de possibilitar o uso de videoaulas, planos de estudo individualizados, atividades de sistematização, reforço ou avaliação e, análise de dados educacionais. 

Com todos esses recursos disponíveis nos ambientes virtuais de aprendizagem, é um movimento quase que natural para o futuro (já presente) da educação,  a integração entre momentos de aprendizagem virtual e momentos de aprendizagem presencial.

E as pessoas envolvidas nos ambientes virtuais de aprendizagem?

É interessante que ao falarmos dos ambientes virtuais de aprendizagem, nosso foco esteja nas novas funcionalidades que ele nos apresenta, mas esquecemos de prestar atenção no elemento que experimenta e vivencia esse ambiente – As pessoas.

Tenho feito algumas conversas com professores e alunos sobre esse ambiente virtual de aprendizagem e, também, sobre as transformações que passaram, nesses últimos meses,  na forma como estavam acostumados a ensinar e aprender. Dessas conversas, o que ficou de reflexão para mim foi:

  1. Os ambientes virtuais de aprendizagem trouxeram mudanças importantes para a educação como, por exemplo, a revisão e fixação de conteúdos, a análise de dados educacionais e a personalização do ensino.
  1. O espaço físico da escola, para além do local de aprendizagem de conteúdos, pode ser encarado como um espaço de socialização e conflitos. É através dessa socialização e análise dos conflitos um dos possíveis caminhos para o desenvolvimento das competências socioemocionais. Com a chegada do ambiente virtual de aprendizagem, precisamos encontrar alternativas para o desenvolvimento das competências socioemocionais, pois, de certa forma, interagimos menos com os outros e com nós mesmos. Por outro lado, quando fomos forçados a acelerar o uso dos ambientes virtuais de aprendizagem, parece que fomos tocados pela humanidade. Conceitos como “se colocar no lugar do outro”, “empatia” e “cooperação” apareceram com muita força nas conversas sobre o trabalho dos professores e o impacto na vida dos alunos.
  1. Os ambientes virtuais de aprendizagem tiraram, de certa forma, a experiência do processo de aprendizagem. Já sabemos o quanto a experiência é importante para o aprendizado. É através dela  que somos tocados, transformados e emocionados. Facundo Manes, um neurocientista reconhecido mundialmente, traz que para aprender, é importante se emocionar. Fica, então, o desafio de como os ambientes virtuais de aprendizagem podem envolver mais as experiências e trocas entre as pessoas.

Ficou em dúvida sobre como desenvolver os ambientes virtuais de aprendizagem para a promoção de uma educação integral? Entre em contato conosco para pensarmos juntos em como chegar lá!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Comments