Educação 4.0:  mudanças e os desafios nas mãos dos gestores

7 minutos para ler

A chegada da quarta revolução industrial está mudando a forma como nós pensamos, agimos e como as coisas funcionam. Essa revolução inclui principalmente o uso de novos robôs nos meios de produção, recursos da Internet das Coisas, da Inteligência Artificial e da Linguagem Computacional.

É claro que todas essas mudanças também vão impactar e transformar a área da educação. Neste texto falamos justamente sobre esse assunto e explicamos o que é educação 4.0, ou seja, a educação da quarta revolução industrial.

Quer saber mais? Então continue a leitura!

O que é a educação 4.0?

Antes de explicar o que é educação 4.0, precisamos voltar um pouco no tempo e analisar a forma como as outras revoluções industriais impactaram a educação para ter uma visão mais ampla de como tudo aconteceu.

Nos tempos da primeira revolução industrial, como poucos tinham acesso à educação, as aulas aconteciam nas casas dos alunos, bibliotecas ou até mesmo igrejas. A segunda revolução industrial gerou a necessidade da capacitação da mão de obra e, por isso, o professor passou a dar aulas para dezenas de alunos. O surgimento das primeiras tecnologias trouxe o conceito da educação 3.0. Nesse momento, o aluno passaria a ser mais participativo em seu processo de aprendizagem.

Finalmente chegamos na quarta revolução industrial, também conhecida como revolução digital. Na educação 4.0 o foco não é a matéria ou o que é ensinado nas salas de aula, mas, sim, a forma como é ensinado. O objetivo é trazer recursos tecnológicos para dentro das salas para proporcionar aos alunos uma experiência mais agradável com o aprendizado.

Quais serão os maiores desafios enfrentados pelos gestores e professores?

A educação 4.0 ainda é algo recente e, por isso, a discussão sobre sua implantação dentro das escolas está só começando. O maior desafio para os gestores será, portanto, a falta de tempo para adaptação. As escolas terão que aprender a lidar com essa nova fase junto com os alunos.

Os educadores precisam renovar seus conceitos e entender, com urgência, que a forma de ensino mudou: agora as aulas poderão acontecer no ciberespaço, respeitando o ritmo de cada aluno. A presença do aluno não é mais tão importante, pois o aprendizado pode acontecer fora da sala de aula. O foco principal é individualizar o ensino e se preocupar mais com as necessidades de cada aluno. Os professores mais avessos à tanta tecnologia tendem a sentir mais tais mudanças.

A forma de avaliação por notas, que já vem sendo criticada há bastante tempo, também cai em desuso na educação 4.0 Medir a competência de alguém e julgar a capacidade dessa pessoa com uma nota é a cada dia mais questionado, portanto, as instituições de ensino precisarão encontrar outras formas de avaliar o desempenho dos alunos. O objetivo agora é acompanhar o desenvolvimento de cada indivíduo dentro de seus interesses pessoais e sua evolução para consigo mesmo.

A maior dificuldade está em adotar todas essas mudanças sem ter um modelo testado e pré-estabelecido para ser seguido. Outra grande dificuldade é que há pouco tempo para adaptação, como já dissemos. No mundo moderno tudo acontece muito rapidamente, pois as pessoas estão acostumadas com a velocidade dos computadores, portanto, as escolas também precisam se apressar e se adaptar o quanto antes.

Quais habilidades são esperadas de um professor na educação 4.0?

Todas essas mudanças vão afetar principalmente os profissionais que estão mais engajados com o ensino, ou seja, os professores. Eles também terão que desenvolver habilidades e renovar seus métodos para se adequarem às necessidades da educação 4.0.

Os educadores devem encarar essas mudanças não como um desafio, mas como uma forma de aprendizado e crescimento profissional. A boa notícia é que as aulas se tornarão muito mais dinâmicas e menos padronizadas, isso significa que cada educador pode também ensinar de uma forma mais autoral.

O lado ruim – se é que podemos considerar isso como uma desvantagem – é que os professores precisarão se reinventar e estudar bastante para aprender a lidar com as novas tecnologias, como quadros interativos, aplicativos para aulas remotas, software de computadores, tablets, smartphones, recursos de realidade aumentada e virtual, entre outros. Os educadores que não acompanharem essas mudanças possivelmente enfrentarão dias desafiadores.

Por fim, mas não menos importante, temos que ressaltar que o papel do professor dentro da sala de aula também vai mudar. Agora o professor não é mais uma autoridade, tampouco exerce o papel de “dono” do saber. Na educação 4.0, o professor deverá exercer o papel de orientador e facilitador de aprendizagem, tornando-se parceiro do estudante em suas descobertas. O ideal é que os educadores e gestores façam cursos e treinamentos para se aprimorarem em novas áreas da arte educadora. A facilitação de aprendizagem, é uma delas por exemplo.

Quais são as principais tendências da evolução 4.0?

Microlearning

O microlearning já é algo bastante utilizado em empresas para oferecer cursos e treinamento de aperfeiçoamento dos colaboradores. Esse termo representa uma nova forma de aprendizado que é mais rápida, fácil e direta ao ponto, geralmente usando como apoio as aulas onlines.

Nanodegree

Os cursos com selo nanodegree são outra tendência que fará muito sucesso na educação 4.0. Esses cursos são feitos no ambiente virtual, têm uma duração menor e prometem um aprendizado mais rápido que os cursos tradicionais e presenciais.

Embora a duração do curso seja menor, isso não significa que ele tem menor importância ou conteúdo. Muitas empresas já consideram os cursos nanodegrees como um grande diferencial curricular.

Gamification

O gamification é uma estratégia de aprendizado que está totalmente ligada com a área da tecnologia e faz uma conexão com ensino e jogos virtuais — é justamente por isso que essa é uma das tendências com maior potencial.

Para ensinar, os educadores usam jogos com o objetivo de oferecer novos conhecimentos e incentivar o desenvolvimento de novas habilidades.

Como serão as escolas do futuro?

A educação 4.0 é benéfica para todos, incluindo estudantes, educadores, gestores e pais. A automação dos processos dará mais conforto aos gestores, que poderão acessar os dados de todos os alunos e professores por meio da tecnologia.

Os pais e responsáveis também poderão acompanhar mais de perto o desempenho e a evolução dos jovens nas atividades escolares. O fato de que essa inspeção pode ser feita à distância deixa o aluno mais preocupado com a sua reputação, o que de certa forma acaba incentivando o estudo.

Como já foi citado anteriormente, a arquitetura das escola é o que mais tende a sofrer mudanças. O ambiente escolar da educação 4.0 precisa ser interativo e dinâmico, sem a rigidez atual.

Todas essas informações podem assustar de início. Porém, assim como todas as mudanças que aconteceram no mundo, caminharemos rumo à quarta revolução industrial de forma natural. Afinal, tanto os gestores quanto os educadores já estão acostumados a lidar com as novas tecnologias em seu dia a dia, agora só precisarão se acostumar a ver toda essa modernidade dentro das instituições de ensino.

Gostou deste texto? Você tem interesse em saber mais sobre a área da educação? Então confira este outro artigo onde falamos sobre a importância da gestão educacional.

Você também pode gostar

Deixe um comentário