Materiais didáticos e a educação contemporânea

5 minutos para ler

As discussões em torno dos possíveis caminhos para uma educação de qualidade no século XXI já transitam há um tempo nos ambientes educacionais. Temas como metodologias ativas, maker, papel do professor e competências socioemocionais já estão no nosso dia a dia.

Com a chegada da BNCC e a criação de novos currículos, faz-se necessário polinizar essas reflexões cada vez mais para outros campos da educação, como por exemplo, o material didático.

O que são materiais didáticos?

Materiais didáticos podem ser entendidos como instrumentos e produtos pedagógicos utilizados em sala de aula, e que possuem uma finalidade pedagógica, ou seja, que instrui. 

Algumas décadas atrás, o material didático servia como principal fonte de conhecimento para os alunos e, para os professores, como um guia para a sequência de conteúdos a serem transmitidos.

Atualmente, com o desenvolvimento da internet, essa lógica está mudando. Ficou mais fácil acessar qualquer tipo de informação a qualquer momento e, com isso, o conhecimento deixou de ter poucas fontes e não está mais concentrado na figura de poucos. Logo, precisamos discutir a função e os modelos dos materiais didáticos neste momento da educação.

E o que pode ser um material didático?

Vale ressaltar que material didático não se traduz apenas por livros. Uma vasta gama de possibilidades, como, filmes, jogos e elementos da natureza podem servir para compor um material didático.

Alguns especialistas afirmam que para ser considerado didático, o material precisa ser comunicativo, ou seja, de fácil compreensão pelo público que faz o seu uso, ter uma estrutura e oferecer os recursos suficientes que permitam aos estudantes verificar e exercitar os conhecimentos adquiridos.

A BNCC normatiza que até 2020, todas as escolas brasileiras de educação básica devem atualizar seus currículos de acordo com o que estabelece a Base Nacional Comum Curricular além de determinar a formação contínua dos professores. E como isso afeta a produção dos materiais didáticos e a prática do professor?

Quais as possibilidades para os materiais didáticos?

A ideia do valor (não financeiro) do material didático não está em si mesmo, mas sim, na forma como é utilizado. Para Silvana Rossi Júlio, consultora de produtos e soluções em educação, o material didático é uma “base que o professor deve tecer o processo de aprendizagem, considerando os conhecimentos prévios dos alunos e possibilitando situações dinâmicas e desafiadoras que os levem a desenvolver competências e habilidades relacionadas aos seus contextos culturais”.

Para uma boa utilização do material didático, este deve se aproximar, de uma maneira viva e flexível, da prática do professor. Na prática, esse material didático deveria ser adaptado ao conteúdo que será trabalhado e, a partir da leitura de grupo, reformular o material para ser condizente com as necessidades desse grupo.

Além disso, um bom material didático apresenta características que permitem, alunos e professores, montar um espaço que reproduz um ambiente e, assim, possam aprender mais sobre ele. Também, por meio desse processo é possível reproduzir situações da vida real e aprender com isso.

Material didático e o socioemocional

Uma das pautas que têm sido bastante discutidas é o desenvolvimento das competências socioemocionais. A pergunta que me fica é como trazer para os materiais didáticos algo que contribua para o desenvolvimento dessas habilidades nos alunos, mas também para os professores?

A ideia de um material didático adaptável, continuamente, às necessidades do grupo é um bom começo. Sobre essas necessidades, é importante levar em consideração o contexto dessas pessoas. É entender que cada indivíduo é único e apresenta particularidades tanto com os processos cognitivos de conteúdos e, também, com os processos de desenvolvimento das competências socioemocionais.

Outro aspecto importante de ser contemplado na estruturação de um material didático voltado para o desenvolvimento das competências socioemocionais é o que chamamos de “triângulo de aprendizagem“. O triângulo de aprendizagem permite trazer o indivíduo para o centro do processo de aprendizagem. Para isso, trabalhasse com um conteúdo,com a promoção de experiências significativas e um momento para a reflexão.  

Material didático e a prática educativa

Silvana Rossi Júlio destaca ainda que “mais do que possível, é necessário que os materiais didáticos ganhem vida e sejam orquestrados pelos professores com o objetivo de compor diversas músicas e ritmos”.

Uma das formas possíveis de orquestrar o material didático é na composição de diferentes elementos (livros, filmes, experiências, natureza, entre outros) que resultem em um material didático que seja significativo para os estudantes. 

Para isso, um dos desafios que precisa ser compreendido pelo professor é o de reconhecer seus alunos. Saber o que cada aluno sabe e é capaz de fazer sozinho, o que está em processo de aquisição e o que ele ainda não sabe. Assim, se torna possível propor atividades e experiências que sejam importantes para o aluno e que leve à descoberta de novos conhecimentos.

Caminhando nesse sentido, o material didático também pode funcionar como um processo formativo para o professor, de forma que ele aprenda e se desenvolva com o processo. Quem sabe, uma das formas de alcançar isso, é que os próprios professores sejam autores dos seus materiais didáticos.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Comments