Renovação da gestão educacional pela Liderança Facilitadora: um caminho plausível

6 minutos para ler

A gestão educacional aplicada pela alta liderança está como em uma panela de pressão. Ao mesmo tempo que esperam dela um básico bem feito – afinal, não á toa chegaram a seus postos – boa parte sente que de nada adiantará tamanho esforço se não houver pessoas para comerem o feijão. O saborearem. E porque não talvez até elogiá-lo. Um elogio sempre cai bem, especialmente após sair da panela de pressão.

Então, do que cuidar primeiro? De assegurar que tem gente querendo o feijão ou fazer o prato mandatório bem feito contando que com isso, ao sentirem o cheirinho bom do que está saindo da panela é tão bom que com certeza vale a pena experimentar? 

Estudo de caso: Liderança Facilitadora na Electi para inspirar qualquer gestor(a) educacional.

Bom, para além da liderança educacional, público que atendemos na Electi, temos percebido que a situação análoga acima tem acontecido em diversos setores e mercados. Mas o que observo aqui é como os sócios – Alexandre, Bruno e Sami – encarnaram os líderes facilitadores como jamais eu tinha visto antes em nenhuma outra organização a qual passei. E como quem me conhece sabe que eu zelo demais por “walk the talk”, ou seja, faça o que se fala, senti que precisava mesmo compartilhar isso com vocês.

Me juntei ao time da Electi em agosto de 2019. Sou multi-empreendedora e ao me conectar com a oportunidade, em meados de abril de 2019, comecei a investigar a fundo sobre a empresa, seu propósito, sua essência e lógico, sua gente. Após uns 4 meses na empresa, estava impressionada com a habilidade destes três empreendedores em cuidar dos negócios, da cultura organizacional muito humanizada e flexível e com a taxa de crescimento nos últimos 2 anos.

São pouquíssimas empresas novas no mercado que conseguem equilibrar tão bem estes pilares. Especialmente ao considerarmos que o produto core –  formação de facilitadores de aprendizagem – ainda não é facilmente compreendido por uma boa parte dos gestores educacionais com clareza – digo, sua potência nos resultados

Quanto mais eu entendia de nosso core e de nosso diferencial, mais claro ficava para mim como o domínio da facilitação e jogo de cintura que se ganha com ele reflete para muito além da aprendizagem em sala de aula. Dominar a arte da facilitação te leva definitivamente para um outro lugar como líder. E hoje, uma das principais competências que precisamos trabalhar em todos nós é a liderança, que nada tem a ver com o cargo, com o posto que alguém tem – momentaneamente, diga-se de passagem – na vida profissional.

A liderança facilitadora como um caminho para a gestão educacional do século XXI

A liderança facilitada parte de alguns pressupostos:

1)      Que existe um equilíbrio de poder entre as partes. Somos todos interdependentes.

2)      Exige presença ativa e responsabilidade, tanto de quem lidera quanto de quem é liderado – e cabe ao líder “ativar” isso em ambos.

3)      O líder facilitador está muito atento inclusive sobre os fluxos de energia do momento e como baixar, aumentar, neutralizar alguma, se necessário.

4)      Por sinal, isso acima só é possível por meio de uma escuta ativa, que visa uma forte conexão.

5)      Este tipo de liderança, muito conectada com a nova demanda do mundo, busca assegurar um ambiente emocional positivo, até mesmo quando há razões para se puxar a orelha de alguém.

6)      Um dos maiores desafios é fazer a leitura do grupo E de seus integrantes individualmente e orquestrar tudo, de forma dinâmica, nem sempre com tempo prévio de preparação. 

7)      Planejar, olhar, sentir e… planejar. Tudo de novo. Sem perder a linha mestra. Sem descompensar emocionalmente, inclusive a si mesmo. Porque não descontar no time é até relativamente fácil, manobrável. Mas também não adianta descontar em si – como o líder na vez – ou em outras pessoas que ama que convivem diariamente com você.

8)      E por fim, e talvez o grande segredo de nosso negócio, da alma Electi e declaradamente percebido por todos os nossos clientes e parceiros… é está o relacionamento, o afeto e o comprometimento. Tudo junto misturado, em nosso caso.

Aaaaah, o amor. Você ama o seu trabalho? O seu negócio, negócio em que atua? O seu time de trabalho, seus pares? Os seus clientes? Nossa, parece meio utópico, não? Só que não é. E eu sou a prova concreta disso. Mas isso só foi possível de acontecer em minha vida por meio de ter conhecido a Electi. E seus sócios. Que reuniram SÓ pessoas incríveis por perto. Longe de serem perfeitas. Mas altamente respeitosas, líderes de si (ou excelentes discípulos), alegres, inteiras.

A liderança que permite e dá exemplos reais de sua vulnerabilidade. Somos Humanos, não somos?

Aqui também choramos. Sem medo, de sermos julgados, sem vergonha. Mas tamanha é a felicidade da família Electi e senso de responsabilidade e comprometimento, que nos recompomos rapidinho – não porque somos forçados por terceiros. Porque simplesmente amamos o que fazemos. Amamos estar juntos, em todo o ecossistema que nos rodeia e também estamos inseridos.

Nada disso seria possível se não fosse pela excelência a qual aplicamos diariamente a liderança facilitadora com uma marca muito singular da Electi.

Sei que pode parecer um artigo piegas. Um artigo “vendedor”. Mas não tenho o menor receio de publicá-lo, pois só eu sei como tudo o que relato aqui vem de um lugar muito genuíno, de uma intenção muito boa e pura de simplesmente contar para o mundo o que tem sido vivenciar na prática novas abordagens em torno de uma liderança verdadeiramente humanizada – sem jamais perder de vista que estamos tratando de negócios. 

Obrigada família Electi – que hoje vai muito além dos sócios – por provarem de que sim, é possível trabalhar bem, ser feliz e ainda ser um negócio auto-sustentável. Isso é que é liderança inspiradora!

Ah! E sobre o feijão na panela de pressão? Sabe aquele máxima da “comida feita com amor”? Então. A pressão nada mais é do que um sentimento que permitimos que atinja nosso corpo físico e vital. Se trabalharmos melhor nossos corpos mentais e supra-mentais, já estaremos mais naturalmente abertos para o amor mais puro. E uma vez que nos deixemos guiar pelo amor, é impressionante como os caminhos se abrem. E a magia do equilíbrio, acontece. E assim, temos condições plenas de assegurar um belo feijão para uma abundância de pessoas que necessitam ou o desejam.

E a sua liderança? É carregada de amor ou de pressão?

Você também pode gostar

2 thoughts on “Renovação da gestão educacional pela Liderança Facilitadora: um caminho plausível

Deixe um comentário